Final Fantasy XIII

Postado por Info Games

Uma mulher será a protagonista do jogo
Ao lado de "Metal Gear Solid 4", "Final Fantasy XIII" é um dos mais aguardados jogos do PlayStation 3. E como é tradição na série de RPG mais famoso do mundo, o visual é um dos mais espetaculares de sua geração, no caso, da nova geração da Sony.

Na verdade, "Final Fantasy XIII" faz parte um projeto maior, chamado "Fabula Nova Cristallis: Final Fantasy XIII", que também conta com "Final Fantasy Versus XIII", também para PlayStation 3, e "Final Fantasy Agito XIII", para celulares. Mas, sem dúvida, o RPG é o principal produto da trilogia.

"Final Fantasy XIII" será feito pelo mesmo time que fez "Final Fantasy X", com Yoshinori Katase na produção e Motomu Toriyama na direção. Além disso, Tetsuya Nomura está a cargo da criação de personagens e o lendário Nobuo Uematsu comporá a canção-tema. Esse grupo é o mesmo que fez a demonstração técnica de "Final Fantasy VII" no PlayStation 3, na E3 de 2005.

A nova tecnologia gráfica tem o nome de "White Engine", que estava originalmente destinado para o PlayStation 2, mas foi levado para o PS3. Segundo a produtora Square Enix, a tecnologia permite gráficos bastante detalhados.

"Final Fantasy XIII" tem um clima futurista, num mundo onde a tecnologia e a magia convivem harmoniosamente. O papel principal, ao contrário do que foi mostrado no primeiro vídeo, não deve ser ocupado por uma mulher, o que é uma exceção na série. Isso só aconteceu em "Final Fantasy X-2", com Yuna, e em "Final Fantasy VI" ("Final Fantasy III" nos EUA), com Terra.

Com suposto nome (ou nome-código) de Lightning, os personagens têm traços elegantes e adultos. As opções de ataques são bastante variadas, incluindo armas brancas, pistolas, artes marciais e magias. Um dos equipamentos mistura uma lâmina numa espécie de espingarda, uma combinação que remonta à Gunblade, pertencente ao personagem Squall em "Final Fantasy VIII".

Os protagnistas também possuem equipamento que controla a gravidade e podem praticamente voar pelos cenários. Nas imagens, é possível perceber um soldado com armaduras brancas, que lembra os soldados-clones de "Star Wars". Sempre houve uma referência no RPG à cinessérie de George Lucas, e isso não parece ser diferente na 13ª edição.

O sistema de batalha, se prevê, tem semelhanças com o de "Final Fantasy XII", misturando elementos de ação com o tradicional sistema de turnos individuais. Porém, a quantidade de inimigos enfrentados ao mesmo tempo será bem maior. Haverá ataques para diversas distâncias. O comando Shot, por exemplo, poderá ser usado de longe dos alvos.

Pelas imagens, é de imaginar que cada movimento, desde o ataque simples até as técnicas mais poderosas, "custam" pontos na barra de ATB, sigla para Active Time Battle. Ao que indica, será possível escolher uma série de movimentos em seqüência e com isso será possível fazer combos.

Algumas das tradicionais magias já estão confirmadas, como a Fire e a Ice. Mas também há movimentos aparentemente inéditos, como a VStrike e a Aerial. O primeiro faz com que um inimigo seja arremessado para cima, e o segundo é um ataque em pleno ar. "Grandia III" tem um sistema similar.

O superataque desta versão se chama Overclock. Se ativado, os inimigos passam a se mexer em câmera lenta, ou seja, o seu personagem poderá atacar mais vezes que os oponentes. As batalhas prometem ser bem movimentadas, com vários ângulos de câmera.

"Final Fantasy XIII" é um jogo exclusivo para PlayStation 3.

Sucesso no Xbox ganha novo título no PS3, Ninja Gaiden Sigma

Postado por Info Games

Ryu Hayabusa fez sucesso já em seu primeiro jogo, em 1989. O jovem ninja começa sua jornada tentando descobrir mais sobre a morte de seu pai, Ken, e se vê forçado a usar a Espada do Dragão para derrotar o terrível Jaquio e posteriormente seu mestre Ashtar. Apesar do roteiro confuso e cheio de inconsistências do terceiro episódio, Hayabusa também destruiu uma terrível ameaça interdimensional na forma de uma cópia de si mesmo.

Sim, as aventuras de "Ninja Gaiden" fizeram com que o herói confrontasse tanto o místico quanto o tecnológico (sem falar no chacoalhante em "Dead or Alive") no bom e velho Nintendinho. Mas com a introdução do Xbox, a saga entrou para o mundo das três dimensões. Agora, um dos maiores sucessos do videogame da Microsoft muda de geração.

Remake da versão para Xbox, em "Ninja Gaiden Sigma" sua missão é clamar vingança contra o império Vigor, que destruiu um dos velhos clãs de ninjas. No processo, Hayabusa deve reclamar a espada Ryuken e mais uma vez participar de uma aventura que mistura ação e narrativa cinematográfica.

Mas ao contrário dos clássicos episódios 8 bits, desta vez Ryu irá adquirir novas armas e habilidades no decorrer de suas missões. Outra novidade, que promete agradar aos que se lembram do terrível grau de dificuldade dos games anteriores, é que o disco rígido permite aos jogadores salvar sua posição a qualquer momento - podendo interromper e retomar a aventura à vontade.

Os gráficos, que já eram de derrubar queixos no Xbox, também merecem destaque. Além de cenários repletos de objetos detalhados e efeitos especiais como água, fogo, fumaça e faíscas, a Tecmo investiu também na violência: cada espadada resulta em muito sangue voando e tripas espalhadas pelo chão.

O remake para PlayStation 3 inclui todos os "Hurricane Packs" do Xbox, que adicionaram algumas armas e desafios extras, sendo que seu principal destaque é uma competição online que compara os placares dos ninjas virtuais do mundo inteiro. Além disso, tem um novo sistema de batalha, novas armas e a possibilidade de se lutar com duas Katanas ao mesmo tempo. Ah, sim! Em algumas etapas, será possível jogar com a exuberante Rachel, para alegria geral dos marmanjos.

"Ninja Gaiden Sigma" é um jogo exclusivo para PlayStation 3.

Eletrônicos da Sony batem recorde; videogames dão prejuízo

Postado por Info Games


A Sony divulgou o resultado financeiro de seu terceiro trimestre fiscal, período que corresponde de outubro a dezembro de 2006. O destaque ficou com o setor de eletrônicos, que registrou o melhor terceiro trimestre da história da companhia.

As vendas globais da corporação chegaram a 2,607 trilhões de ienes (US$ 21,4 bilhões), aumento de 9,8% em relação ao mesmo período de 2005. No entanto, os lucros operacionais ficaram em 178,9 bilhões de ienes (US$ 1,47 bilhão), queda de 14,9%, e o lucro líquido, em 159,9 bilhões de ienes (US$ 1,313 bilhão).

O setor de eletrônicos, capitaneado pela linha Bravia de televisores LCD, atingiu recordes, com vendas de 1,872 trilhão de ienes (US$ 15,4 bilhões), aproximadamente o dobro do ano anterior, e lucros operacionais de 177,4 bilhões de ienes (US$ 1,456 bilhão).

Além do sucesso das TVs e da linha Cybershot de câmeras digitais, o câmbio favorável contribuiu para o resultado positivo. No relatório, a companhia afirmou que continuará a apostar na tecnologia LCD para TV e que não pretende mais investir em plasma.

Por outro lado, o setor de videogames deu prejuízo, pela queda de quase US$ 100 no preço do PlayStation 3, anunciada na Tokyo Game Show do ano passado, e os custos de lançamento do console.

O prejuízo operacional da divisão chegou a 54,2 bilhões de ienes (US$ 445 milhões), queda de cerca de 5% em relação ao terceiro trimestre de 2005. O tombo só não foi maior porquê as vendas subiram 5,6%, chegando a 442,8 bilhões de ienes (US$ 3,635 bilhões).

No entanto, para o último trimestre fiscal, a companhia espera melhorar o resultado com mais jogos e serviços, além de perseguir o barateamento da produção do PlayStation 3.

Marvel Ultimate Alliance (PC)

Postado por Info Games

Até 2004, a Raven era conhecida basicamente por seus jogos de tiro para PC, como as séries "Heretic" e "Hexen", e "Jedi Knights II: Jedi Academy". Mas, no ano em questão, foi escolhida para produzir "X-Men Legends", um dos melhores games já criados tendo os famosos mutantes da Marvel como tema.

A sacada foi pegar a fórmula vencedora de "Diablo" e trocar os guerreiros medievais pelos heróis dos quadrinhos. A continuação aparou as arestas e, agora, com "Marvel Ultimate Alliance", o universo foi expandido para além dos domínios mutantes. Como o nome diz, é a última palavra sobre uma superliga, tanto de heróis como vilões.

Lendas da Marvel

"Marvel Ultimate Alliance" é um jogo de ação com um pouco de RPG. Tem visão aérea e o jogador controla um grupo de quatro heróis - um de cada vez, evidentemente -, enfrentando diversos capangas e supervilões. Mas, em meio a muita pancadaria, ainda há espaço para alguma exploração, testes de conhecimento e quebra-cabeças.

O enredo começa banal, mas se mostra mais complexo à medida que se desenvolve. Aqui, Dr. Destino junta uma verdadeira seleção de vilões, incluindo Ultron, Galactus e Mandarim, e ataca uma nave da S.H.I.E.L.D., a agência de inteligência e contra-terrorismo do mundo da Marvel. O pedido de socorro é atendido por uma reunião de heróis, formada por Capitão América, Homem-Aranha, Thor e Wolverine.

Esta é a premissa de "Marvel Ultimate Alliance": juntar um monte de notáveis para brigar contra os grandes malfeitores dos quadrinhos. E haja personagem. Entre ordeiros e contraventores, são quase uma centena de caras famosas, e outras nem tanto.

Entre os heróis que o jogador pode controlar estão 16 personagens iniciais. Além dos quatro do começo, ainda há rostos do Quarteto Fantástico, os Vingadores e os X-Men, sem falar nos menos conhecidos como Deadpool e Motoqueiro Fantasma. Há ainda inserções como Elektra e Blade, talvez por terem sido feitos filmes sobre esses heróis.

Nos consoles de nova geração (Wii incluso), ainda há mais dois personagens exclusivos: Colossus e Cavaleiro da Lua. Os portáteis também têm sua cota de heróis próprios: no PSP, são quatro, incluindo Ronin e Viúva Negra, e no Game Boy Advance aparece Jean Grey e Namor.

Demolidor de botões

Quem já jogou títulos como "Diablo" já tem noção clara de como funciona o game. Mas não se trata de nada complicado: a regra básica é bater em quem aparecer pela frente. O bom do game é que ele tem controles completos, mas tudo pode ser resolvido de maneira simples. Há botões para golpes fracos, ataques fortes (a potência é proporcional ao tempo que mantiver o botão pressionado), arremessos e as habilidades especiais de cada herói. Mas, nas dificuldades menores, é possível resolver a maioria das pendengas com o botão de golpe fraco.

Naturalmente, você pode lutar de maneira mais eficiente ao combinar golpes, fazendo seqüências de várias maneiras. E alguns oponentes são suscetíveis a apenas alguns tipos de ataque: os que têm escudo, por exemplo, devem ser atacados por trás.

Cada herói também tem uma série de habilidades especiais. Eles são diferentes para cada um, mas podem ser agrupados em ataques de longa distância, golpes rotatórios, ofensivas que mandam o oponente para o alto e turbinadores de capacidade (aumento de velocidade, força, resistência etc).

Alguns poderes especiais exigem um pouco mais que apertar botões. O mais "interativo" deles é o arremesso do escudo do Capitão América, que pode ser controlado (apesar de, na prática, não valer a pena fazê-lo, já que o movimento é muito rápido). Outros exigem que o botão seja pressionado por um tempo ou que se aperte sucessivamente, como a bola de fogo do Tocha-Humana.

Há muita diferença na eficiência entre os heróis. Elektra e Blade, por exemplo, são muito fracos em relação a um Wolverine, o que faz todo o sentido dentro do contexto dos quadrinhos. É verdade que todos podem evoluir e o game não fica muito mais difícil por causa disso, mas é uma desvantagem que carregam desde o início.

Muita pancada e um pouco de cabeça

Os combates tendem ser uma bagunça, já que são quatro heróis mais uma porção de inimigos, um verdadeiro pandemônio. Isso vem dos games passados, mas há uma diferença fundamental: agora, os inimigos tendem a concentrar os ataques no personagem que o jogador está controlando. Assim, você pode - e deve - focar sua atenção em seu herói do momento.

Como dito, é preciso usar a cabeça em certas situações: há inimigos que são vulneráveis a alguns tipos de ataques e M.O.D.O.K. não deixa prosseguir se não responder às suas perguntas. Aliás, muitos chefes não podem ser derrotados com golpes comuns. O dragão Fin Fang Foom somente volta para o solo quando derrubado pela artilharia, e Ymir, o gigante gelado, necessita que se pressionem os botões pedidos na tela numa espécie de teste de reflexo. É igual aqueles eventos interativos vistos em "Resident Evil 4" e "God of War". Há minigames que usam essa mecânica, como no capítulo especial dedicado ao Capitão América.

Super-heróis também evoluem

Ao derrotar os inimigos, os personagens ganham pontos de experiência e, ao acumular um determinado patamar, o nível sobe, aumentando sua força. Isso é uma mecânica clássica da maioria dos RPG. Ganha-se também pontos de habilidade, que podem ser distribuídos aos golpes, a fim de torná-los mais fortes. Itens também melhoram alguns aspectos dos heróis.

Enfim, o sistema de desenvolvimento é completo e até permite remanejar os pontos de habilidade. Quem achar muito complicado ou não tiver paciência para ficar mexendo em menus, o game já vem, de fábrica, no modo automático, que distribui pontos e itens sem a intervenção do jogador. Assim, se ele quiser pode se concentrar apenas nas partes de ação.

Pode-se ganhar experiência também respondendo às perguntas que medem o conhecimento do jogador sobre o mundo da Marvel. Há desde perguntas simples, como o material que cobre os ossos de Wolverine, até algumas que apenas quem aprofundou nesse universo poderia saber, como o planeta natal de Fin Fang Foom. De qualquer maneira, não há tempo-limite para responder as perguntas e, muitas vezes, as respostas surgem de conversas com alguns companheiros. A mesma coisa acontece com os quebra-cabeças do game, que são muito simples em sua maioria. Mas, mesmo quando surgem questões mais complicadas, o game não demora a entregar a solução.

Além do desenvolver individualmente os personagens, você também pode evoluir um time. Dependendo da composição do grupo, todos os integrantes podem ganhar um bônus extra. Por exemplo: ao reconstituir os Vingadores, com Capitão América, Thor, Homem de Ferro e Sra. Marvel, ganha-se 5% a mais em poder de ataque. Valem também os Novos Vingadores e o clássico. Há também formações do Quarteto Fantástico, X-Men, um só de mulheres, só com agentes da S.H.I.E.L.D. etc. A lista é extensa.

Isso não impede o jogador de criar seu próprio time. Quanto mais mantiver a formação, maior os pontos de respeito. A cada 100, o "team level" sobe. Você pode trocar um integrante sem perder a evolução, ao custo de 50 pontos de respeito, mas, ao progredir o time, é possível aumentar o "banco de reservas" do grupo.

Liga da Justiça virtual

O game é basicamente linear, mas há algum espaço para exploração. A maioria dos itens está em lugares óbvios, mas há aqueles mais escondidos ou em locais pouco acessíveis. Nesse caso, geralmente, você precisa de um herói voador para buscar o artefato. Alguns inimigos deixam armas para você e esse é um momento para ir à forra, pois estes itens costumam ser muito poderosos. Com o dinheiro ganho matando inimigos, você compra melhorias para o seu personagem.

Há bastante conteúdo no game, pois a aventura principal já é bastante longa, exigindo quase 20 horas para terminar. Essa conta não inclui as missões solo, que quase todo personagem tem. Para acessá-los é preciso encontrar o disco de treinamento virtual, escondido nas fases. Como o nome diz, nessa modalidade cada guerreiro luta sozinho, o que pode ser complicado para aqueles menos favorecidos, ainda mais por haver uma avaliação no final da fase.

O jogo também traz modalidades multiplayer para até quatro pessoas, tanto offline como online (menos no Wii, que tem apenas o modo com tela dividida). Há a forma cooperativa e a competitiva - ambas funcionam como na campanha para uma pessoa, mas na segunda opção os jogadores lutam contra os inimigos e entre si, disputando quem derrota mais oponentes, destrói mais objetos, pega mais itens etc.

O online funciona de forma satisfatória em todas as versões. A ocorrência de atrasos de comunicação depende da conexão de cada jogador, mas o "lag" acomete mais as edições para PlayStation 2 e PSP, que notadamente tem uma rede online inferior. Além disso, quando todos usam os poderes ao mesmo tempo, costuma ficar bem lento.

Os controles são diferenciados no Wii, que usa o sensor de movimento para todos os golpes. Como é um game de esmurrar botões, o jogador tende a se cansar fisicamente de tanto repetir os movimentos. Fazer os especiais é mais complicado e perde a graça depois de algum tempo. Uma das poucas vantagens é podem ativar qualquer especial a qualquer hora, assim como no PC. Nos consoles, é possível cadastrar até quatro golpes nos botões. O sensor do controle do PlayStation 3 é usado em alguns minigames, e também não chega a acrescentar muita coisa na experiência.

Gráficos e sons não tão super

O visual do jogo não é dos melhores. De fato, o ângulo de visão não permite tomadas mais dramáticas e como tudo está meio longe e pequeno, o impacto também não é muito grande. As edições para Xbox 360 e PlayStation 3 são superiores, com resolução alta, texturas melhores, efeitos idem e iluminação mais complexa. Porém, o console da Microsoft leva vantagem na suavidade das animações. O PC pode chegar ao nível dos consoles de nova geração com uma boa placa.

O "segundo pelotão", formado pelo Wii, Xbox, PlayStation 2 e PSP, também está equilibrado. Não tem a mesma definição da nova geração, mas estão à altura de suas capacidades. Porém, mais uma vez, a Sony leva desvantagem na taxa de quadros. Não que seja impraticável, mas está no limite de interferir na controlabilidade. O PSP ainda sofre com a tela pequena, que deixa os lutadores ainda menores.

A trilha sonora é típica de filmes, conduzida por uma orquestra. É uma opção que quase nunca falha, devido à sonoridade rica. E, quando bem executada, como é o caso, sempre acrescenta à experiência de jogo. Não há exatamente uma dublagem, mas falas curtas que são usadas em determinadas situações, e se repetem à exaustão.

Aliança dos titãs

"Marvel Ultimate Alliance" tem as mesmas qualidades da série "X-Men Legends" e quem já passou pelos antecessores deve amar o novo game de cara. Mesmo quem não suporta a parte RPG desses títulos pode se divertir, pois o jogo cuida automaticamente do desenvolvimento dos personagens, se assim quiser o usuário. Com uma extensa lista de heróis e vilões, e um conteúdo extenso, é um jogo que valoriza o investimento. Melhor ainda se você for fãs dos quadrinhos.

Rainbow Six: Vegas (XBOX 360)

Postado por Info Games

Depois das versões "Critical Hour", "Rainbow Six 3", "Black Arrow" e "Lockdown" para consoles tradicionais e PC, a série de combate tático "Rainbow Six" desembarca na nova geração e faz sua estréia no Xbox 360 com "Tom Clancy's Rainbow Six: Vegas". Mais uma vez, o mundo está em alerta. Terroristas liderados por Irena Morales dominaram uma das principais cidades do mundo. Essa mesmo que dá nome ao game, Las Vegas. Cabe a equipe Rainbow, liderada por Logan Keller, a missão de salvar a cidade de pecado, como é conhecida nos Estados Unidos.

No entanto, para quem está cedendo de vontade fazer fama e fortuna nos cassinos, o início da jornada da equipe Rainbow é no México, onde o líder terrorista estaria na cidade. Foi designada a missão para a equipe localizar e capturar com vida Irena Morales. Keller e seus parceiros têm de percorrer diversos cenários característicos da região, libertar prisioneiros para localizar o malfeitor. Diante do encontro, Morales arma uma cilada para a equipe de Keller, seqüestra alguns de seus membros e segue rumo a Las Vegas. A partir daí começa um jogo de ação tenso, com trilha sonora impecável e controle acessível para soldados que estão longe da elite do videogame. E se salvar o mundo é pouco, "Rainbow Six: Vegas" oferece opções multijogador de sobra para quem quiser fazer fama na Xbox Live.

Sem tempo para apostas

Já nos Estados Unidos, a cidade cassino está em estado de caos. Ruas interditadas, carros pegando fogo, alarmes disparados, pessoas desesperadas e uma única esperança: somente a equipe Rainbow poderá acabar com Morales e sua gangue. Para conter os terroristas, Keller conta com um belo arsenal que inclui pistolas, carabina, rifle de longo alcance, metralhadoras, bombas e itens especiais para ajudar no combate tático, como escudo, óculos de visão noturna e bombas de fumaça. O herói pode levar um número limitado de armas e itens. Esses podem ser adicionados ou tirados, durante ou entre as fases, pela sua caixa de equipamentos.

São duas as modalidades para um jogador. Há o modo "Story", no qual Logan e mais dois parceiros têm de percorrer diversos cenários de Las Vegas - cassinos, ruas, tubos de encanamentos, hotéis, terraços, prédios em construção, salas de informática - e executar missões como: resgatar pessoas, salvar jornalistas, hackear computadores e desarmar bombas - tudo para conseguir prosseguir no game. Já no modo "Terrorist Hunt", o personagem deve acabar com um número de determinado de terroristas, diante de dez cenários diferentes e sem limite de tempo. Seja qual for a preferência, essas duas opções de jogo também podem ser apreciadas no modo cooperativo.

Os produtores deram atenção especial ao modo multijogador. São inúmeras as possibilidades e os mapas gigantescos. Para começar, existe a opção de customizar seu personagem através da Xbox Live Vision, a câmera do Xbox 360, para deixar o personagem com a sua cara, literalmente! Levar seu rosto para o game e fácil e basta tirar duas fotos: uma de frente e outra de perfil. A ambientação de luz não pode estar nem muito clara, nem muito escura. No teste, a câmera não reconheceu o rosto com o zoom ligado ao máximo. Mas uma vez ajustada corretamente, não houve problemas. O procedimento vale uma conquista para seu perfil de jogador.

Uma vez definida a aparência, que pode ser feita através de opções pré-definidas para quem não tem a Xbox Live Vision, é hora de matar terroristas na rede: no modo "Attack and Defend", um time tem a função de atacar um determinado objetivo e outro terá que defender; em "Team Sharpshooter", ganha o time que eliminar mais oponentes; a meta de "Team Survival" é ter um integrante da equipe vivo no final; localize um objeto e faça a entrega no modo "Retrieval"; "Survival" é o tradicional mata-mata no qual o último sobrevivente, vence; para finalizar, em "Sharpshooter" é considerado o vencedor, quem eliminar mais adversários.

Trabalho em equipe

Em "Rainbow Six: Vegas" para conseguir progredir pelas fases e não ser morto a cada esquina desconhecida, o trabalho em equipe é fundamental. Existem comandos para ocupar espaços, fazer rapel, abrir portas com granadas e invadir territórios, que podem emitidos pelo controle ou pela voz. São seis as opções de voz que incluem "Regroup" e "Tag". Há uma lentidão na resposta, mas o mais importante é caprichar na pronúncia. Sotaque português não ajuda.

Diferente das versões anteriores, essa está mais tática. Durante o jogo cada ação ou tomada de território, deve ser bem planejada. Os parceiros sempre têm de ir à frente, abrindo espaço, dando cobertura e fazendo uma espécie de barreira, pois a missão pode resultar em nada com apenas um tiro bem dado dos terroristas. Muros de concreto, máquinas de cassinos, paredes são ótimas opções para ficar protegido e não ficar na linha de fogo.

O jogo possui algumas semelhanças com "Gears of War" na estrutura, o personagem principal não possui uma barra de energia e se recupera com o passar do tempo e se for atingido por uma bomba ou a tela ficar totalmente preta, a missão está encerrada. O sistema não é exatamente novo e também é usado na série "Call of Duty". Caso um de seus parceiros seja atingido, existe a opção para ressuscitar. Essa função poderá ser feita pelo personagem principal ou pelo parceiro em atividade. Se um de seus parceiros for morto, a missão será encerrada. Felizmente, a movimentação dos personagens e interação com parceiros da equipe são rápidas e de fácil manuseio. Além dos comandos aparecem na tela, uma pequena ilustração facilita a ação a ser executado pela equipe. As ações foram bem distribuídas pelo controle e a curva de aprendizado é rápida. Não traduza isso por um jogo fácil. Algumas missões de "Rainbow Six: Vegas" são bem cabeludas, principalmente as últimas.

Ver, ouvir e conquistar

Para quem pensou que Rainbow Six Vegas se tornaria cansativo por se passar numa cidade de cassinos e sem muitas opções de cenários. Podem ficar tranqüilos. O pessoal da Ubisoft fez um belo trabalho, diversificando muito bem os cenários e tornando-o altamente atrativo. Os gráficos estão muito bem trabalhados, com belos cenários. O ponto fraco são as texturas, que deixam a desejar em algumas áreas. Fase inteiramente dentro de cassino só há uma. No geral elas se alternam em ambientes fechados e externos. Destaque fica por conta da missão que se passa dentro de um teatro, com direito ao som de uma ópera que acompanha toda a ação.

Por falar em parte sonora, essa é competente e bem atenta aos detalhes, seja em reproduzir efeitos sonoros ambiente, seja esse teatro, rua ou cassino ou atenuando ou impondo ritmo à ação através das músicas. Além de boa dublagem, com direito a alguns palavrões em mexicano por parte dos terroristas, nota-se a tensão nos diálogos quando dois grupos se aproximam ou quando algum personagem é atingido. Se não perfeito, nesse quesito "Rainbow Six: Vegas" chega perto.

Curto, terminar as seis fases demora entre oito a dez horas e rendem por volta de 300 pontos ao perfil do jogador. Os outros 700 pontos das conquistas precisam ser liberados através das modalidades multijogador. Também liberam conquistas subir a patente de seu personagem, através de feitos memoráveis tanto no multiplayer como no modo história.

Vermelho, três

"Rainbow Six: Vegas" é uma boa pedida para os amantes do tiroteio tático. A nova mecânica de controle, muito mais intuitiva, torna a série mais acessível a jogadores principiantes. O visual impressiona, mas algumas texturas mereciam um polimento maior. De outro lado, a parte sonora complementa a ação de forma magistral. A modalidade para um jogador é curta, mas o jogo oferece desafios de sobra para dias e dias de combate online através da Xbox Live. Nesse aspecto, a maior infelicidade de "Rainbow Six: Vegas" é ter sido lançado junto a títulos como "Gears of War" e "Call of Duty 3". Mas, para quem se cansou ou quer algo além de alienígenas e Segunda Guerra, aposte as fichas aqui.

UEFA Champions League 2006-2007

Postado por Info Games

A Copa da UEFA é um dos torneios mais importantes do futebol europeu e, como os games sobre o esporte são bastante apreciados no Velho Continente, a EA Sports costuma adaptar a tecnologia de "FIFA" em uma edição especial. Com "UEFA Champions League 2006-2007", o jogador pode entrar na disputa e jogar com os badalados times, em alguns dos mais requintados estádios.

A novidade da vez são cartas que podem ser utilizadas em momentos importantes da partida e até mesmo trocadas com outros usuários online. Elas influenciam aspectos como treinamento, moral, preparação física e até mesmo a recuperação de atletas, permitindo montar a equipe dos sonhos.

Como de costume, o jogo inclui um modo de gerenciamento, em que não apenas é importante atuar bem dentro de campo, mas também administrar a equipe, em uma função com atribuições de técnico e até de presidente do clube. O jogo inclui também vários cenários, que recriam momentos históricos da competição. Outra alternativa é o jogador organizar os grupos do torneio, ao invés de seguir a tabela oficial, e jogar a Copa da UEFA à sua maneira.

No gramado, a tecnologia gráfica renovada mostra atletas com nível inédito de realismo, movimentação mais fluída e movimentos convincentes.

"UEFA Champions League 2006-2007" é um jogo para PC, PlayStation 2 e Xbox 360.

Ghost Recon Advanced Warfighter 2

Postado por Info Games

"Ghost Recon Advanced Warfighter 2" começa pouco tempo após o ponto em que o original parou, colocando o jogador no controle de uma unidade militar de elite dos Estados Unidos, conhecida como "Ghosts". No ano de 2014, um conflito entre mexicanos e uma força rebelde insurgente deixa o país em uma guerra civil de proporções devastadoras.

Sob o comando do capitão Scott Mitchell, os Ghosts são chamados para enfrentar a ameaça iminente aos Estados Unidos, que corre risco de ataques. Equipados com o que há de melhor em termos de tecnologia, a equipe precisa lutar nos dois lados da fronteira para neutralizar os rebeldes.

Assim como no antecessor, "Ghost Recon Advanced Warfighter 2" apresenta não somente gráficos modernos, mas efeitos de física convincentes, recriando com perfeição ambientes urbanos devastados pela guerra. Os efeitos visuais incluem explosões fumaças e ciclos entre o dia e a noite, além de diferentes condições meteorológicas.

Pela primeira vez, a série traz missões em solo norte-americano, com cenários em terrenos montanhosos, desertos e na região de El Paso, no Texas. A Ubisoft promete um sistema de inteligência artificial aprimorado, com mais possibilidades estratégicas para o esquadrão.

O sistema Cross-Com, agora em versão 2.0, permite ter uma perspectiva da visão das unidades aliadas, além de fornecer dados sobre todo o campo de batalha, ajudando a bolar táticas e planos para as manobras militares. Agora, é possível convocar ataques aéreos e até suporte médico.

"Ghost Recon Advanced Warfighter 2" é um jogo para PC, PSP, PlayStation 3 e Xbox 360.

Fatal Inertia

Postado por Info Games

Conhecida pelas séries históricas que retratam combates medievais, como "Dynasty Warriors" e "Romance of the Three Kingdoms", a divisão canadense da Koei trabalha em projeto bem diferente para a nova geração de consoles. Trata-se de "Fatal Inertia", um game de combates entre veículos que está sendo criado com apelo voltado ao mercado ocidental.

O jogo mistura veículos futuristas, combates vibrantes e corridas cheias de adrenalina em belos ambientes naturais. "Fatal Inertia" é uma espécie de esporte do século 23, com seis objetivos principais: ter um mundo baseado em física realista; boa variedade de armas; veículos customizáveis; várias modalidades de jogo; fases com muita natureza; e modo multiplayer.

De todos estes, o objetivo ao qual os produtores têm se dedicado em especial são os elementos de física: nos combates, por exemplo, as pedras podem ser lançadas contra oponentes. A própria geografia dos cenários pode ser utilizada em proveito próprio, seja no modo competitivo ou cooperativo.

"Fatal Inertia" é um jogo para PlayStation 3 e Xbox 360.

NCAA March Madness 07

Postado por Info Games

Como você deve saber, o basquete é uma verdadeira paixão nos Estados Unidos e, por lá, não é apenas a NBA que faz sucesso: a liga universitária NCAA também atrai grande público, tanto que a EA Sports possui uma linha de jogos esportivos voltados apenas à ela.

O modo Dynasty, principal atração de "NCAA March Madness 07", é o centro das novidades do simulador de basquete da liga universitária norte-americana. A postura e personalidade dos atletas, por exemplo, agora influenciam o desempenho dentro das quatro linhas. Por isso, ambientes tumultuados na administração da equipe podem ser mais nocivos do que nunca.

Para aqueles que acompanham a liga, a atmosfera reproduz o clima, com as músicas eletrizantes, os gritos da torcida e os narradores. É possível evoluir a universidade conforme a sua performance, conquistando fãs e expandindo a estrutura do campus.

A parceria com a ESPN está nos ângulos de visão, que lembram as tomadas características da transmissão de partidas na televisão, com vários closes, durante as partidas, e até mesmo aqueles anúncios por escrito que passeiam pela tela.

"NCAA March Madness 07" é um game para PlayStation 2 e Xbox 360.

Virtua Fighter 5

Postado por Info Games

A tradicional série de lutas da Sega está no aquecimento para adentrar no ringue dos arcades e videogames. O primeiro da franquia, lançado originalmente em 1993, é o pioneiro entre os games de luta em 3D, que depois inspirou títulos como "Tekken" e "Dead or Alive".

Uma das novidades da quinta edição da linha principal, sem incluir versões atualizadas, como "Virtua Fighter 4 Evolution", é o salto na qualidade gráfica, graças aos hardwares poderosos na qual serão reproduzidos. Com isso, o nível de detalhes dos personagens está mais alto que nunca.

Mas é na mecânica de jogo que deverá acontecer as maiores mudanças. O produtor Yu Suzuki declarou que revisará todo o sistema desde seus fundamentos. Agora, o game planeja uma luta mais espacial, sendo possível também atacar pelos lados.

Para isso, há um deslocamento chamado Offensive Move, que consiste em avançar rapidamente para frente, mas ao mesmo tempo chegar ao flanco do oponente, onde supostamente o bloqueio é menos eficiente. Mas também haverá o Defensive Move, que servirá basicamente para desviar dos ataques do oponente.

O número de botões usado é pouco, apenas três - um para soco, outro para chute e o terceiro para defesa -, mas, como sempre, a quantidade de golpes que é possível realizar combinando os botões e o direcional é muito grande. A série "Virtua Fighter" é tida como aquela que tem o sistema de luta mais profunda e equilibrada entre os games de luta. O bom é que os combates oferecem alternativas para diversas estratégias, mas, por outro lado, o aprendizado é um dos mais difíceis.

Alem de trazer personagens que apareceram ao longo das edições, também terá dois novatos. Uma é a chinesa Eileen, que luta kung-fu do estilo kou-ken, e o outro, El Blaze, mascarado da luta-livre mexicana. A eles se juntam os tradicionais Akira Yuki, Sarah Bryant e Lau Chan.

"Virtua Fighter 5" é um jogo para arcade e PlayStation 3 e Xbox 360.

Colin McRae: Dirt

Postado por Info Games

Após dois anos de hiato, a série de rali "Colin McRae", uma das mais aclamadas do gênero, volta em uma versão exclusiva para as plataformas de nova geração - sim, o PC ficou de fora. Desta vez, o título está revigorado, não apenas no que diz respeito ao visual, mas à experiência de jogo, que pretende ir além das tradicionais provas de correr de um ponto a outro.
A seleção de corridas "off road" traz as tradicionais pistas com lama e poeira de sobra, em eventos espalhados por diferentes países. Por sinal, tanto as pistas quanto os veículos são baseados em locais reais. As provas contra o relógio foram expandidas para incluir múltiplos carros na disputa.

A Codemasters busca um meio termo, tanto para atrair novos adeptos à série quanto para agradar aos mais experientes, fãs assumidos da série. Por isso, além da variedade de provas e modalidades de jogo, a produtora não descuida do realismo nas regulagens e relação dos carros, bem como não esquece de incluir modo multiplayer online.

"Colin McRae: Dirt" é um título para PlayStation 3 e Xbox 360

Playstation 3 - A espera terminou

Postado por Info Games


O Playstation 3 estará disponível em duas diferentes configurações, no Japão, desde o último dia 11 e nos Estados Unidos a partir de 17 de novembro de 2006. Já na Europa e Austrália, o mesmo chega em março de 2007. A causa desse atraso na Europa, Austrália e nos demais paises deve-se ao atraso na produção no diodo de blue-laser. O modelo de 20 GB está sendo vendido no Japão a 4,980 yen (algo em torno de U$429), U$85 mais barato que os 59,800 yen iniciais que a Sony tinha anunciado na E3 desse ano. Já para o modelo de 60GB, a Sony deixará que as lojas coloquem seu próprio preço. O Playstation 3 chegará nos EUA com a versão de 20GB a U$499 e a de 60GB a U$599. Na Europa a de 20GB chegará por R$499 euros e na Austrália, a de 20GB por AU$829,95 e a de 60 GB por AU$999,95.


O novo Playstation 3 tem um elegante design com linhas limpas e belas curvas. Em contraste ao design “radical” com lados amassados do Xbox 360, os lados do PS3 são expandidos, para conter o hardware nele contido. Os designers tiveram que fazê-lo de tal forma baseados no sistema de resfriamento, para o processador Cell, a placa de vídeo na Nvidia GPU e o sistema elétrico. As pessoas poderiam esperar um console barulhento, graças às peças contidas, mas para a surpresa de todos, ele é bem quieto.

Protótipos anteriores foram mostrados em branco, preto e prata, mas os modelos iniciais serão apenas pretos. O material anteriormente utilizado tinha um visual meio opaco, já esse utilizado na versão final tem um brilho, como o material utilizado no PSP. O topo curvado do mesmo sugere que você o coloque na horizontal, e o mesmo pesa sólidas 11 libras (algo em torno de 5 Kg), medindo 32,5cm de largura, 9,65cm de altura e 27,4 de grossura.

Assim como o Xbox360 e o Nintendo Wii, o Playstation 3 pode ser colocado tanto na horizontal como na vertical. Os donos de um PS3 poderão reposicionar o console enquanto o sistema estiver funcionando, sempre problema algum de acidentalmente prejudicar um jogo ou filme.
O drive de Blu-ray para rodar jogos e filmes. Cada disco blu-ray pode comportar até 54GB de informações, o que deve garantir que os games precisem de mais espaço ou mais discos. Os jogos serão de região livre, mas os filmes ainda terão a travas de região. Os discos Blu-ray tem especificação A para a América do Norte, do Sul e a Ásia, com exceção da China. Se isso não mudar, significa que os consoles americanos rodarão filmes daqui, supondo que essa tecnologia seja utilizada no Brasil nos próximos anos. As primeiras 500,00 unidades de PS3 virão com o filme em Blu-ray, “Talladega Nights: The Ballad of Ricky Bobby”. O drive Blu-ray do PS3 também terá suporte aos formatos CD-ROM, CDR+W, DVD, DVD-ROM, DVD-R, and DVD+R.

O HD do sistema tem espaço suficiente para guardar todos os downloads, mídias e aplicativos da Playstation Network. Os jogos utilizarão o HD para guardar os saves e o cache diminuirá o loading desses.

A Máquina:

O Playstation 3 conta com o processador Cell, de 3.2 GHz, que consiste em um núcleo de principal de processamento com outras sete unidades de processamento (SPE). O Cell é o resultado da união de forças entre a IBM, a Sony e a Toshiba. A unidade primária de processamento tem 512KB L2 de cache e cada SPE tem 256KB de memória para trabalhar. A CPU tem uma oitava SPE para “redundância”, o que significa que cada chip do Cell precisa apenas de sete SPEs trabalhando para comandar o PS3. O processador Cell é poderoso o suficiente para guiar um novo estilo de física de jogabilidade, impossível para qualquer outro console, incluindo simulações limpas e fluidas, assim como uma rígida larga-escala de interações entre milhares e milhares de objetos em uma única tela. Os computadores de hoje não conseguem acompanhar o processamento da CPU do PS3. Além de tudo isso, os desenvolvedores de games poderão utilizar os SPEs do Cell para criar novos efeitos de áudio antes disponíveis apenas para PCs com processamento dedicado para áudio.

A indústria, mudando para adaptar-se aos novos processadores de vários núcleos, sentirá as diferenças para programar para o PS3. Antes, esses encontravam vários problemas para programar para jogos, porém a Sony já anunciou que o PS3 utilizará Open GL/ES e os programadores poderão acessar os SPEs do Cell utilizando-se de ferramentas C ou C++, ao invés de terem que programar em assembly como faziam no PS2.

Para fazer par com o processador Cell, a Sony preparou um poderoso processador gráfico, feito com tecnologia Nvidia. Você deve se lembrar que a Nvidia fez a placa do primeiro Xbox, mas com os pequenos problemas contratuais entre a Nvidia e a Microsoft, poucos ficaram surpresos com a dança das mudanças de parcerias para essa nova geração de consoles. A Microsoft ficou com a ATI para o Xbox360 e a Nvidia com a Sony para o Playstation 3. O resultado final da colaboração é o processador gráfico Playstation 3 RSX “Sintetizador de Realidade”, um brinquedinho de 550Mhz, com um chip gráfico de 300 milhões de transistors baseado na tecnologia gráfica da GeForce 7800 GTX.

O Playstation 3 tem 256MBs de memória Rambus XDR e 256MBs de memória GDDR3 dedicada para gráficos. A Nvidia aclama que RSX pode tirar vantagem dos 512MBs de memória, desde que sejam capazes de escrever dados diretamente da memória do sistema. A crescida taxa de transferência na memória gráfica e aumentada capacidade de armazenamento permitirão aos desenvolvedores utilizar texturas de altíssima resolução e combinados às memórias, esses poderão utilizar efeitos avançados, capazes de simulara a pele humana.

O Novo Controle – Six-axis:

Já o novo controle, é praticamente uma cópia do tradicional Dual Shock. O L2 e R2 estão maiores, permitindo que esse seja apertado de forma mais forte e precisa. A Sony também aumentou o ângulo entre os analógicos para uma melhor manipulação e alcance de movimentação. Quando os analógicos do PS2 tinha 8 bits de sensibilidade os do PS3 tem 10 bits.

O novo controle tem os mesmos tradicionais botões e também o D-pad. Como novidade, o controle terá um sensor de movimentação, podendo ser percebidas pelo controle em seis direções: para cima, para baixo, para esquerda, para direita, para frente e para trás. O novo controle de movimento six-axis permitirá aos jogadores utilizar o corpo para ajudar no jogo. O mesmo não pesará mais que o Dual Shock tradicional, mesmo com suas novas funcionabilidades.

Assim como o controle do Xbox 360, o novo controle do PS3 será wirelees, mas ele também conta com Bluetooth, ao invés do tradicional 2.4GHz RF. Aparelhos que trabalham com Bluetooth, geralmente têm um alcance de nove metros, mas o controle do PS3 terá aproximados 20 metros. Você poderá recarregar o controle, conectando-o à porta USB do PS3. O mesmo também não apresentará nenhum problema caso controles sejam plugados ou desplugados com o console ligado.

A bateria do controle não é trocável. Se a bateria pifar, só um novo controle, ou mandando para a Sony trocar. Mas, acreditamos que a bateria dura anos e esperamos que ao menos suficientes para esperar até a chegada do PS4. Os controles Six-axis sem fio para PS3 serão vendidos nos EUA a U$50.


Jogos no lançamento:

A Sony já anunciou que o Playstation 3 terá 21 jogos disponíveis “até as festas de final de ano”, período de 17 de novembro (lançamento do PS3 americano) até o final do ano. A SCEA terá três games prontos logo para o lançamento: Resistance: Fall of Men, NBA 07 e Genji: Days of the Blade. Títulos que foram adiantados pelas third-partys incluem Tony Hawk’s Project 8, Final Night Round 3, Marvel: Ultimate Alliance e Sonic the Hedgehog. Os jogos first-party sairão por U$60 nos EUA e esperamos que os de third-party não fujam dessa risca.

Se você não tem condições de ficar comprando os games de PS3 a esse preço, você pode ir pegando games de PS2 até que os títulos iniciais de PS3 comecem a cair de preço. O PS3 tem retrocompatibilidade com os jogos de PS1 e PS2. Você poderá transferir jogos salvos de velhos memory cards do HD do PS3 com um adaptador que custará U$15 nos EUA. Proprietários de PS3 poderão também comprar e baixar jogos no estilo arcade na Playstation Network, que sairão por menos de U$15. Os jogos anunciados incluem Blast Factor, flOw, Criminal Crackdown, Lemmings 2, Go! Sudoku, and Go! Swizzleblock2.

Playstation Network:

A rede on-line da Sony será semelhante à da Microsoft, a Xbox Live, e terá diversas funções de comunidades on-line, como login pessoal, lista de amigos, avatares, assim como opções de comunicação que incluem um programa de mensagens instantâneas e chat por voz e vídeo. O PS3 não terá a câmera logo no lançamento, mas a mesma já fora anunciada e está em desenvolvimento para que tenha uma alta resolução.

A rede gratuita, Playstation Network, serviço de comunidades e multiplayer on-line. Resistance: Fall of Man, por exemplo, terá um multiplayer on-line para até 40 pessoas e um sistema de lobby e amigos, assim como suporte para festas, clãs, status e níveis de experiência.

O serviço da Sony terá uma loja virtual, onde os jogadores poderão fazer downloads de uma variedade de conteúdo incluindo games, demos de games, conteúdo adicional de games, além de vídeos, trailers de filmes e videoclipes de música. Tudo isso será possível através da “Carteira Playstation 3”, uma carteira de dinheiro virtual, que terá seus créditos adicionados via cartão de crédito. Todos os itens estarão com preços em dólares, ao invés de pontos, como demais consoles estão fazendo. A Sony sugeriu que o serviço servirá também para pagar mensalidades de MMORPGs.

Funcionabilidade Multimídia:

Logo do boot do sistema, os donos de um PS3 serão agraciados com a familiar barra cross media (Xross Media Bar da Sony), que é o sistema de menu atualmente utilizado no PSP e nos televisores Sony. O XMB permite você navegar horizontalmente pelas categorias do nível topo: usuários, configurações do sistema e opções de mídia como fotos, música, vídeos, jogos, rede e amigos. Cada categoria topo, quando selecionada, irá mostrar uma lista vertical com opções relacionadas. O menu do usuário, por exemplo, permite que você crie diversos usuários para administrar suas contas no sistema do PS3. Os pais podem moderar as contas de seus filhos, para limitar os jogos por nível do jogo, baseado nos ranking da ESRB e MPAA.

As opções de foto oferecem diversos slides shows. O sistema também pode tocar música enquanto você faz esse show de slides, sendo que o PS3 suporta vários arquivos de música, como MP3, ATRAC, AAC, e WAV, além de ter seu próprio visualizador de música. Os usuários podem importar músicas de um cartão flash, através da porta USB ou ripar músicas de um CD. A Sony desenvolveu um menu para vídeos que demonstra 15 segundos de cada vídeo em thumbnails. Os usuários não poderão transferir arquivos do PC para o PS3 via rede, mas você poderá transferir ou ver vídeos diretamente de uma memória flash ou por USB.

O menu de rede permite acesso ao web browser do PS3, Playstation Store e a função de PSP remote, que permitirá o PSP compartilhar vídeo através de conexão Wi-Fi, inicialmente local, mas a Sony pretende estender para conexões PS3-PSP pela internet. Os jogos de PS3 irão também suportar o PSP em algum lugar no futuro.

O Web Browser é bem funcional com boas funções e suporte a Flash. Você poderá abrir várias janelas do browser e trocar de uma para a outra bem rapidamente. O PS3 utiliza o mesmo estilo de colocação de texto que o PSP, o que significa que plugar um teclado UBS será uma boa, se você pretende digitar muito.

A lista de amigos é o ícone final do XMB, mas o mesmo terá avatares e ícones personalizáveis.

O console é simplesmente super completo. Seus gráficos são os mais impressionantes do mercado, a funcionabilidade on-line semelhante as já apresentadas pelos demais consoles rivais, e muita beleza diversão é prometida, apesar do elevado preço. Agora, é ver para crer!

Os Games Que Fizeram a Cabeça Dos Jogadores Em 2006

Postado por Info Games


Melhor Jogo Do Ano Para PS2 - FINAL FANTASY XII

Com uma proposta totalmente diferente dos outros games da série Final fantasy, (lutas em tempo real em vez de batalhas em turnos), a 12ª versão do clássico se destacou por trazer um dos visuais mais fantásticos do Ps2 , um enredo digno da grandiosidade da série e muitos extras par aos jogadores ávidos por sidequests.

Para a grande maioria dos fãs da franquia, Final Fantasy XII é o melhor game de RPG do PS2 e também o melhor de toda a história da série .

Melhores jogos de esporte

1º -Winning eleven 10
2º- Fight Night Round 3
3º- FIFA 2007

Melhores jogos de corrida

1º- Need For Speed Carbon
2º- FlatOut 2
3º- Formula One 06

Melhores jogos Multiplayer

1º- Socom : U.S. Navy SEALs Combined Assault
2º- Call Of Duty 3
3º- Metal Gear Solid 3 : subsistence

Melhores jogos de Ação / Aventura

1º- Okami
2º- Bully
3º- LEGO star wars II: The original Trilogy

Melhore jogos de tiro

1º- Black
2º- Call of duty 3
3º- Urban Chaos : Riot Response

Melhores jogos de RPG

1º- Final Fantasy XII
2º- Kingdom Hearts 2
3º- Xenosaga Episode III : Also Sprach Zarathustra

Melhores jogos de luta

1º- Mortal Kombat Armageddon
2º- KOF 2006
3º- Tekken : Dark Resurrection

Melhores jogos de musicais/Simulação

1º- Guitar Hero 2
2º- Ace Kombat Zero : The Belkan War
3º- Gitaroo Man Lives !

Piores jogos do ano

1º- 50 Cent : Bulletproof
2º- Crazy Frog Racer
3º- Rule of Rose
4º- 25 to life
5º- Metal slug 3

Nba 2k7

Postado por Info Games


Após um bom desempenho de NBA 2K6 em relação a críticos e jogadores a expectativa é que a série continue surpreendendo com a nova versão.
O que mais chamou a atenção no game anterior foi o sistema de arremesso através do botão analógico, um recurso que está de volta à série e com alguns aperfeiçoamentos.
Além dos tradicionais campeonatos da NBA o jogo terá um modo opcional para quem é fã de basquete de rua, levando o jogador a quadras do subúrbio por todo os Estados Unidos. Será possível também aprender o estilo de jogo dos seus amigos e adversários.

Quem preferir gerenciar um time terá essa opção para mostrar que realmente entende do que acontece por trás dos bastidores de um grande time. Já o modo multiplayer permitirá partidas e campeonatos online.

NBA 2K7 terá versões para PlayStation 2, Xbox, PlayStation 3 e Xbox 360 e chega em 2007.

Harry Potter e a Ordem Da Fenix

Postado por Info Games

A Electronic Arts e a Warner Bros. Interactive Entertainment anunciaram hoje que o jogo Harry Potter e a Ordem da Fênix já está em desenvolvimento. O jogo está agendado para lançamento em julho de 2007, para coincidir com o filme da Warner Bros. baseado no quinto livro de J.K. Rowling, de mesmo título.

"Harry Potter e a Ordem da Fênix é o primeiro jogo da série desenvolvido para consoles de próxima geração", informou Harvey Elliott, produtor-executivo da EA UK. "Junto com as versões para as gerações atuais, estamos criando uma experiência imersiva e, sobretudo, fiel ao universo de Harry Potter, que refletirá com precisão o mundo exibido no filme e deliciará os fãs de todas as idades", antecipou Elliott.

"Trabalhando com a EA, buscamos oferecer aos fãs o mais autêntico jogo da série Harry Potter até hoje produzido, que, inclusive, capture a instigante história da ficção e a alta qualidade visual do filme," declarou Jason Hall, vice-presidente sênior da Warner Bros Interactive Entertainment "Depois de ler o livro e assistir ao filme, os fãs certamente poderão se beneficiar da experiência interativa completa com o jogo Harry Potter e a Ordem da Fênix."

O relacionamento próximo e sinérgico entre o livro, o filme e o videogame é mais forte no jogo Harry Potter e a Ordem da Fênix do que jamais fora antes. Os jogadores poderão explorar vários locais importantes em Hogwarts com riqueza de detalhes, cada um visualmente idêntico ao seu equivalente no filme, enquanto se envolvem nas eletrizantes aventuras descritas pela rica narrativa do livro.

Em Harry Potter e a Ordem da Fênix, Harry retorna a Hogwarts para o seu quinto ano de estudos e descobre que o mundo bruxo recusa-se a aceitar o seu recente encontro com o maldoso Lord Voldemort, preferindo não acreditar na notícia de que Voldemort retornou. Temendo que o venerável Diretor de Hogwarts, Alvo Dumbledore, esteja mentindo sobre o retorno de Voldemort para enfraquecer a sua posição e tomar o seu emprego, o Ministro da Magia, Cornélio Fudge, designa uma nova professora de Defesa contra as Artes das Trevas para vigiar Dumbledore e os estudantes de Hogwarts. Mas o curso de mágica defensiva da Professora Dolores Umbridge, aprovado pelo Ministério, deixa os jovens magos lamentavelmente despreparados para se defender contra as forças das trevas que ameaçam não só a eles, mas também toda a comunidade bruxa; então, a pedido de seus amigos Hermione e Rony, Harry se encarrega de resolver o problema por conta própria. Em encontros secretos com um pequeno grupo de estudantes que se autodenomina "A Armada de Dumbledore", Harry os ensina a se defender contra as Artes das Trevas, preparando os jovens e corajosos magos para a extraordinária batalha que acontecerá mais cedo ou mais tarde.

Com a possibilidade de jogar vários personagens, incluindo Harry Potter, Dumbledore e Sirius Black, o jogo Harry Potter e a Ordem da Fênix oferece aos fãs a oportunidade de empunhar uma varinha, explorar toda a Hogwarts e experimentar um dos mais excitantes e perigosos anos na vida do Menino Que Sobreviveu.

Em desenvolvimento pelo Estúdio UK da EA, o time por trás do sucesso mundial da livraria de jogos Harry Potter, o game Harry Potter e a Ordem da Fênix está agendado para lançamento para o Nintendo Wii, PS3, Xbox 360, PS2, PSP, Nintendo DS, Game Boy Advance e PC.

Burnout Dominator

Postado por Info Games


A franquia pegou fogo com o lançamento de Burnout 3: Takedown e sua rápida forma de controlar o caos! O mais recente lançamento, Burnout Revenge, levou essa formula ainda além, com funções para checar o tráfego e muito mais. Porém, as coisas não param por aí!

Mesmo com o trabalho duro que a Criterion está tendo com Burnout 5, que agora será para os sistemas da nova geração, os gamers do PlayStation 2 e PSP não vão ficar na poeira. Burnout Dominator está chegando para esses sistemas em março e nós já vamos adiantar algumas novidades.

Um dos motivos para o jogo só está saindo para as plataformas da Sony é a quantidade de pessoas que tem PS2 ou PSP e a quantidade de jogos Burnout que foram comprados por esse público, superando as de qualquer outra plataforma. Além disso, os produtores querem dar uma sensação de jogabilidade no estilo da nova geração de consoles, principalmente para o PSP, que não deixa de ser um console novo.

A novidade da jogabilidade na verdade é o retorno de um velho favorito – os Burnouts! Através dos anos, os fãs do jogo ficaram pedindo insistentemente pelo retorno dessa função do Burnout 2 e, atendendo a esses pedidos, é exatamente isso que acontecerá em Burnout Dominator. Para os que não lembram, os Burnouts acontecem quando você preenche a barra de boost (ou turbo) e a usa de uma só vez. Em Dominator você precisará utilizar todas as suas perícias no volante para criar correntes de Burnouts e com isso, conseguir a velocidade máxima para uma experiência de corrida inimaginável.

O ‘Signature Shortcuts’ é uma outra novidade, onde você destrava atalhos fazendo ‘signature takedown’ na entrada dos atalhos e acredite, é bem mais complicado do que o que parece. Se você abrir o atalho, você reduzirá seu tempo na corrida e talvez perca a liderança da mesma.

Outra novidade empolgante é o novo Maniac mode onde você terá que derrotar o relógio, fazer Burnouts múltiplos, drift round corners, near-miss no tráfego, conseguir realizar big airs, pegar os atalhos e levar o carro ao limite absoluto!

Dentre as diferenças entre as versões de PS2 e PSP, a experiência on-line será a que mais pesará. O foco na versão para PS2 está na jogabilidade, que ainda terá o velho e bom multiplayer com divisão de tela e party play. Enquanto isso, usando a funcionabilidade sem fio do PSP, os produtores pretendem dar ao game uma experiência fantástica que poderá ser vivenciada em qualquer lugar, utilizando-se do portátil da Sony. Haverá multiplayer Ad Hoc para até seis jogadores e uma função Wi-Fi única chamada Score Syncing, onde os jogadores poderão comparar suas melhores pontuações e tempos em corridas. O melhor de tudo serão as novas pistas, exclusivas para o PSP, para download após o lançamento.

Muito tempo também foi gasto no controle da versão para PSP. O mesmo terá uma resposta incrível, ainda que você utilize o direcional ao invés do analógico. Você poderá sentir o drift nas curvas e a adrenalina enquanto leva o seu carro em velocidades loucas para vencer o Maniac mode.

Burnout Dominator é muito focado na perícia do piloto e na experiência da corrida. De várias maneiras, o que realmente preenche Burnout são os momentos de alta tensão quando você evita uma batida em velocidades insanas, com seu dedo pressionando firmemente o turbo. Em Burnout Dominator muito tempo também for a gasto num esforço para criar novos modos de corrida que manterão você no extremo para evitar uma batida. As correntes de Burnout serão peças chaves para tanto, levando você aos limites da velocidade e sanidade enquanto tenta completar o percurso.

E é nesse espírito que a Criterion, pai da série Burnout, juntamente com a integração dos estúdios da Eletronic Arts do Reino Unido, está preparando pesadamente uma experiência única para os dois novos títulos Burnout – Burnout 5 para a nova geração de consoles e Burnout Dominator para PS2 e PSP. Senhores, preparem seus motores!

Plataformas: Playstation 2 e PSP
Previsão de Lançamento: 26 de Março de 2007
Produtora: EA UK e Criterion
Distribuidora: Eletronic Arts
Gênero: Corrida

Ridge racer 7

Postado por Info Games


A Namco nos apresenta o mais novo game da sua famosa série de carros, que não podia deixar de dar as caras no Playstation 3. Com Ridge Racer 7, os fãs da velocidade irão se emocionar com o estilo frenético dos carros, com suas diversas arrancadas e drifts, tudo isso com uma jogabilidade excelente, adicionando gráficos esplêndidos do novo console da Sony. Quem já é fã da série vai amar, pois o que tinha de bom, ficou ainda melhor. E esse é justamente o maior problema, melhorou-se apenas o que JÁ tinha de bom, e não adicionaram grandes novidades. Muitas das pistas, por exemplo, são as mesmas do Ridge Racer 6. Enquanto novíssimo painel de customização para o seu carro foi adicionado neste game, com direito a diversas pinturas, bosters, aerofólios e diversos outros adicionais para turbinar seu carro, se você jogou o game anterior, vai achar muita mesmice correr pelas pistas que você já visitou e detonou no game anterior. Cartão amarelo para a Namco. Mas calma, nem tudo está perdido ainda.

Jogar Ridge Racer 7 é fácil, até demais em alguns momentos. Se você já estiver acostumado com a jogabilidade da série, vai tirar de letra passar por qualquer pista. Mas se você for um novato, não se preocupe, pois não há muitos desafios no aprendizado. O game apresenta um mecanismo facilitador de drifts. Talvez os produtores do game quisessem dar um tom mais “Velozes e Furiosos” para o jogo, por isso o implantaram. Ele funciona mais ou menos como um ativador de manobras. Quando você está perto de uma esquina, a ponto de bater, você tenta fazer um drift. Eis que o game “facilita” para você e no final o drift sai impecável. Os fãs de outros games de carro vão estranhar bastante isso, já que muitos podem se tornar um verdadeiro ás no asfalto com o mínimo de pratica possível.

Mas temos que dar o crédito ao sistema “facilitador” de Ridge Racer em um aspecto, a sensação de velocidade. Isso é visível, já que você não precisa se preocupar muito com a redução da velocidade ou a parede próxima. Ao você passar a mais de 200 Km/h perto de corners, sendo que você escapa da batida em questão de alguns centímetros é algo alucinante. Como dito anteriormente, a idéia de semelhança com velozes e furiosos espanta. O game oferece uma variedade de estilos de Drifts, drags e diversas outras manobras que vão deixar você de queixo caído. E muito caído, vale lembrar, já que estamos jogando com os maravilhosos gráficos do PS3.

O design dos carros de Ridge Racer 7 está realmente legal. Temos aqui uma série de carros não licenciados, com direito até a marcas fictícias. Mas mesmo assim, os carros são lindos, não devendo em nada aos carros reais de outros games. Temos aqui um designer mais arrojado, com uma visão mais futurista, com direito a curvas, canos de descargas e rodas realmente fantásticas. É tanto que o próprio game não os chama de “carros”, mas sim de “máquinas”. Talvez por pomposidade, os criadores tenham escolhido usar esse termo. Muitos upgrades são legais, como o motor ou o nitro. Já outros, como a suspensão e as roda, não soam realmente importantes, já que a máquina já é bela por si só e o desempenho do carro não é influenciado pelas mudanças, devido ao sistema facilitador.

Para fazer um upgrade em sua máquina, você precisará estabelecer um relacionamento com as criadoras de peças. Para tanto, você terá que jogar o modo principal do game, o chamado Ridge State Gran Prix. Neste modo, você irá entrar em corridas de diversos tipos, geralmente disputadas com outros sete corredores nas pistas. Quanto mais você vencer, mais carros e novas peças serão habilitadas para a compra. Vale lembrar que o dinheiro em Ridge Racer também é adquirido ganhando competições. Durante o game, você conseguirá ganhar uma série de pontos de descontos, que poderão ser usados para adquirir um abatimento no preço de peças de uma determinada fabricante. Tais pontos funcionam como um sistema de fidelidade. Quanto mais peças da fabricante você tiver em sua máquina, mais pontos de desconto poderão ser adquiridos após suas vitórias.

Ridge Racer 7 possui uma grande quantidade de eventos e torneios para se disputar. Entretanto, só existem 21 pistas, sendo que a grande maioria é oriunda da versão anterior do game. Para remediar isso (ou tentar despistar a falta de opções), as corridas acabam sendo disputadas nas duas mãos da pista. Saiba que você gastará bastante tempo correndo em diversas pistas que você já havia corrido anteriormente. Se você tiver jogado o Ridge Racer 6, a situação piora ainda mais, porque surge aquela incomoda sensação de deja vú. Esse é o maior problema do game: a mesmice.

Além do grand prix mode, existem também o time attack mode e o arcade mode. No primeiro, seu tempo será tomado pelo quão rápido você conseguiu terminar um percurso. Seria algo bem simples esse modo, se não fosse pelo fato de que o game oferece um quadro on-line com as lideranças nos tempos de cada pista. Ou seja, você poderá registrar seu tempo no site oficial do game, por meio de seu Playstation 3. É interessante ver o quão desenvolvido você está em relação aos outros jogadores do mundo. Mas se prepare, porque muitos dos tempos são incrivelmente curtos, ou seja, você terá que ralar muito para chegar perto dos gringos, especialmente os japoneses. No arcade mode, você poderá pegar um dos carros que você já habilitou e percorrer qualquer uma das pistas do game.

O modo on-line do game suporta até 14 jogadores por corrida. Você pode simplesmente correr com outros jogadores, individualmente ou formando equipes para disputas. De longe, vale ressaltar que esse modo de jogo é o mais divertido de todo game, dando a ele uma longevidade além do esperado. Embora sua comunicação com os outros jogadores se resuma apenas a lista de frases já estabelecidas, ainda assim a interação que o game oferece é excelente, podendo divertir todos os participantes. Novamente, o que limita o game é a falta de uma grande variedade de pistas.

Graficamente, Ridge Racer 7 é muito superior ao Ridge Racer 6. Mas em muitos casos, diversos defeitos apresentados no game anterior encontram-se nesta versão do Playstation 3. A movimentação dos carros em diversos momentos parece muito mecânica, especialmente durante as raras batidas das máquinas (rara devido ao sistema facilitador). Outro aspecto realmente estranho no game são os drifts. Embora alguns efeitos visuais, como fumaça ou pequenos borrões de velocidade, tentem disfarçar, o carro gira em um único ponto durante a manobra. Ele fica estático e sem dar aquela “sambadinha” característica dos carros durante o drift.

Os sons do game são excelentes, mesmo que em alguns momentos haja uma variação do volume sem nenhum motivo aparente. O som do ronco dos motores, o barulho dos pneus e os nitros são algo soberbo, dando aquela sensação característica de velocidade para o jogador. Destaque também para a anunciante do game, uma bela mulher com uma voz bastante sensual. Vale lembrar que a série Ridge Racer é marcada pelas belas mulheres presentes nas apresentações e nos diversos modos do game. As músicas também são bastante atrativas, sendo que em sua grande maioria são techno musics.

Conclusão Final

Ridge Racer 7 é um ótimo jogo de corrida, sendo um dos primeiros no novo console da Sony. Os novatos na série irão gostar bastante, mesmo com os diversos defeitos básicos. Já aqueles que jogaram os games anteriores da série irão se frustrar ao saber que os defeitos continuarão mesmo na nova versão. E o pior, as pistas também são as mesmas. Mas graças ao modo on-line, a diversão do game estará garantida por muito tempo.

Full Auto 2 : Battlelines PS3

Postado por Info Games


A maioria dos gamers gostam de coisas que explodem. Eles também amam detonar o tráfego em alta velocidade. Naturalmente, há uma boa razão para ficar ansioso quando um game combina ambos os elementos em um só, e para isso dê uma olhada no sucesso de Burnout 3. Antes disso, havia Mario Kart, que por mais que digam que não, você tinha que detonar os outros jogadores. O mesmo se aplica para Full Auto 2, apenas sem a violência “santificada” e cascos de tartaruga.

O primeiro game da série Full Auto foi lançado para Xbox 360 em fevereiro. Ele tinha uma boa combinação de alta velocidade em corrida e devastação, porém pequenos problemas impediam que ele alcançasse marcas mais elevadas. Este sofreu de problemas de desempenho, principalmente para iniciantes, o que fazia com que corridas mais éticas causarem certo tédio. O game também sofria da falta de uma batalha dedicada, onde os jogadores esqueceriam das corridas e poderiam simplesmente transformar os demais em pedacinhos. Mas o maior problema era mesmo com as corridas, mesmo com o poder de fogo Full Auto falhava em trazer algo novo para o gênero como um todo, o que não o tornava diferente dos demais títulos.

Já Full Auto 2: Battlelines, para Playstation 3, melhora o game original por endereçar cada problema para a zona do esquecimento! E, para constar, de forma admirável! A experiência como um todo melhora no PS3, com pequenas partes lentas. Também da uma esfriada quando você está passando por um bloqueio de seis policiais. Tendo dito isso, temos que admitir que as quedas de velocidade são bem poucas no PS3.

Além disso, a mais modos no PS3. Os modos arcade, multiplayer, on-line e career, estão presentes, juntamente com conteúdo adicional. O career mode, por exemplo, tem várias novidades além das missões incluídas no game original. Isso inclui um número de corridas normais ou em escolta, desafios e time trials. Os jogadores podem também solicitar novidades, como proteção de aliados. A maioria das missões tem objetivos principais e secundários, variando de tirar carros específicos da prova a destruir certa quantidade deles.

Isso é meio o que não mudou. Para nossa sorte, os desenvolvedores adicionaram uma série de novidades para transformar Full Auto 2 em um jogo melhor que seu predecessor. A primeira e grande mudança é a introdução do estilo de combate em arena. Oras, faz sentido uma vez que você tem uma série de carros soltando napalms e mísseis! As arenas de combate aparecem como missões no career mode, mas também tem seu modo dedicado no start menu. E pode ter certeza que é uma adição e tanta! As seis arenas de combate disponíveis tiram bastante proveito do bom design e locais que contém os power-ups.

Essas batalhas em arenas transformam Full Auto 2 no Twisted Metal da próxima geração. Como qualquer fã poderia admitir, isso traduz a bagunça caótica de veículos explodindo e corpos carbonizados, uma maravilha em outras palavras. Os jogadores poderão encontrar uma série de power-ups espalhados em cada estágio, como poder de fogo ilimitado, munição e reparos instantâneos. Saber onde cada item fica pode adicionar um fator de estratégia ao jogo, e as arenas aceitam divisão de tela e multiplayer on-line, o que te dá a chance de cozinhar os outros jogadores sem que eles saiam de suas cadeiras.

As fases, não importando em que modo, têm estruturas maciças que mudam um boa parte do mapa quando destruídas. E os destroços criam novos locais para pulos e para coletar mais power-ups. Fora o desafio, pois não é nada fácil acertar alguém que está entre seis cilindros gigantes. É necessário um pouco de paciência para aprender todas as manhas das fases, mas com isso, você conseguirá abri novas possibilidades.

Não vamos esquecer os veículos, que variam de SUVs, esportivos a muscle cars, veículos policiais e caminhões. Cada veículo tem pontuações diferentes, como velocidade e durabilidade, e caberá a você escolher o veículo certo para a missão certa. Ah! Os carros também permitem um bom nível de customização, sendo que a cada missão concluída com sucesso, novos eventos, armas e skins vão sendo liberados. Combine esses com as metralhadoras, mísseis, minas, lasers, granadas e bum! Diversão explosiva a caminho. Para os mais malvados, bombas de fumaça, latarias com espinhos e canhões de 20mm completam a festa!

Os modos on-line como batalhas entre times, Base Assault e “Cat and Mouse” apimentam ainda mais a diversão. E sim, Cat and Mouse é exatamente o que você está pensando! Um deve fugir, até o fim, como um rato, e demais jogadores devem pega-lo! Jogabilidade on-line juntamente com o multiplayer off-line fazem o novo pacote de Full Auto uma jornada para a sobrevivência

Full Auto 2 melhor seu predecessor em quase todas as via inimagináveis. Os ambientes destrutíveis funcionam bem e adicionam variedade, o jogo segue fluido e é visualmente melhor, e a narrativa pouco irá importar quando você estiver se esbaldando na ação!

Plataforma: Playstation 3
Previsão de Lançamento: 12/12/2007
Produtora: Pseudo Interactive
Distribuidora: Sega
Gênero: Ação / Corrida
ESRB (Censura): TEEN (adolescentes)
Expectativa: Bom game!

Naruto : Uzumaki chronicles

Postado por Info Games


Naruto está se tornando uma febre tão grande que é capaz de passar a popularidade de Dragon Ball Z a qualquer momento. Naruto invadiu o mundo do entretenimento através de manga, anime, brinquedos e videogames. Seu mais recente produto é Naruto: Uzumaki Chronicles, que acabou de chegar às lojas. Diferentes dos últimos games da série para videogames, esse tem uma proximidade enorme com a série de TV.

Onde a maioria dos games anteriores fez com que os jogadores lutassem em arenas, Uzumaki Chronicles abre uma nova possibilidade. Eles poderão explorar o mundo e aceitar as missões que desejarem. Há também um pouco de história, mas que não se acumula muito. Alguns dos diálogos farão os jogadores rirem um pouco, mas nenhum deles se qualifica como uma narrativa fixa. Não que o jogo precise disso, mas seria bom ver um game de Naruto com algum drama. Boa parte do motivo que mantém os fãs serem vidrados na série é a personalidade dos personagens, o que teria sido interessante ter sido inserido no game.

Porém, o fato de que Uzumaki Chronicles adiciona um pouco mais de profundidade do que os demais games de Naruto, definitivamente ajuda. Os jogadores começam recebendo missões de classe “D” e “C” para criarem seu caminho visando o topo. As missões em Naruto são um dos pontos mais marcantes do jogo, mas também uma das maiores falhas. Para começar é divertido que estejam presentes. Escolher quais missões para completar ajuda a seguir em frente. Cada missão tem uma pequena história, que ajuda a repassar as batalhes que poderão vir. Ao mesmo tempo, as missões sofrem de uma falta de variedade. Os jogadores têm uma escolha, é fato, entretanto na maioria das vezes, as tarefas são bastante semelhantes às anteriores.

Em grande parte do jogo, os jogadores gastarão seu tempo protegendo os assuntos da vila ou encontrando itens criados para o universo do jogo. Isso tudo significa que os eles terão que detonar um pouco de tudo que aparecerem em sua vista, para variar um pouco, porque ter que guardar um caro com a mercadoria de um mercador é legal e tudo mais, porém só deveria acontecer algumas vezes. Com sorte o cenário muda enquanto os jogadores passam de vila após vila, o que é bom para quebrar o clima. Mesmo que existam objetivos durante as missões, essas sofrem de falta de profundidade.

No lado positivo, a ação funciona bem. Os jogadores podem executar movimentos, técnicas e combos sem muitas complicações, graças ao controles que são bem intuitivos. É tudo bem simples, como qualquer outro aspecto do jogo, mas que funciona bem. Até as manobras mais complicadas requerem apenas algumas pressionadas de botões.

Agora, a IA é abismalmente chocante. Em muitas das primeiras missões, os ninjas rivais e foras-da-lei simplesmente ficam parados esperando sua execução. Eles não fazem esforço algum para salvarem-se em boa parte do tempo e quando o fazem, simplesmente saltam uma ou duas vezes e depois param. São derrotados facilmente, os jogadores podem derrubá-los em poucos segundos, com exceção de alguns poucos adversários que tem uma IA que fazem uma batalha durar.

Para ajudar a aliviar as coisas, Uzumaki Chronicles adicionou uma profundidade na are de evolução do personagem. Os jogadores poderão modificar uma “Skill Plate” conseguindo uma certa forma de moeda, conhecida como Virtue” (virtude), comprando assim novas habilidades. Essa Skill Plate é grande e cada nova Skill requer um espaço específico, o que torna legal conseguir as coisas. Os jogadores precisam decidir se querem mais energia vital e stamina para uma luta específica ou um ataque poderoso. Essas variações adicionam um elemento estratégico ao jogo.

Naruto: Uzumaki Chronicles faz Naruto segue em frente em alguns passos. Deixar os jogadores escolherem entre missões e explorarem o universo de jogo, assim como a área de customização de personagem são exemplos desses passos. O jogo definitivamente tinha uma boa idéia, mas alguns fatores chaves o mantém meio para baixo. A IA dos inimigos poderia ter sido refeita e as missões poderiam ser mais variadas. Os fãs deveriam dar uma olhada.

Plataforma: Playstation 2
Previsão de Lançamento: 14/11/2007
Distribuidora: Nancom Bandai Games of América
Gênero: Ação
Expectativa: Razoável!

Winning Eleven - Pro Evolution Soccer 2007

Postado por Info Games


Winning Eleven: Pro Evolution Soccer 2007" tarz mudanças significativas à série. A série sempre teve um viés que tende para o simulador e o lado ruim é que o andamento poderia não ser tão fluído quanto se poderia desejar.

Agora, a produtora deixou o jogo mais ágil e mais fácil de fazer os gols, sem, no entanto, perder as características estratégicas que marca a franquia. Um dos pontos revisados foram as animações, que ganharam novos quadros de movimento, principalmente nas situações que o jogador fica sem controle, como por exemplo, num desequilíbrio.

Novos dribles foram adicionados, como um que se inspira no jogador inglês Stanley Matthews, falecido em 2000, conhecido como o "mago dos dribles". Também há um movimento chamado finta em "V", além de retomar o "Slide Dribble", acionado com o botão R2.

Entre as novas modalidades está uma chamada International Challenge, que será uma versão mais global do Nippon Challenge, de "Winning Eleven 9". Nesse modo, o jogador escolherá um dos 46 países e simulará a trajetória da equipe até chegar ao campeonato mundial, passando por fases de eliminatórias. O formato de competição variará conforme a confederação a qual o país pertence: América, Ásia, África ou Europa.

Mais seis equipes aparecem com seus nomes reais: o clube alemão Bayern de Munique e as seleções da Holanda, Itália, Inglaterra, Argentina e Espanha. Outros quatro times nacionais, sem licenciamento, foram incluídas na lista de países: Trinidad e Tobago, Angola, Gana e Togo. Eles estavam presentes na Nippon Challenge na edição do ano passado, mas não em controle do jogador.

Alguns ajustes foram feitas em modalidades tradicionais. Na Master League, por exemplo, há uma opção que permite descartar a curva de progressão de um atleta. Além disso, haverá uma opção para mudar de formação de forma mais simples. Durante o jogo, foi acrescentado um comando que permite fazer jogadas ensaiadas apertando os botões L1 e R1. A produtora também prometeu melhorar a inteligência artificial do juiz.

Existe também uma modalidade chamada Random Selection Match, na qual os jogadores que compõe um time será escolhido aleatoriamente . na versão japonesa, a narração e comentários continuam a cargo de Jon Kabira e Tsuyoshi Kitazawa, com Teruo Kawamoto como repórter de campo. Por outro, Adriano, craque da seleção brasileira e da Inter de Milão, será capa da ersão européia, conhecida como "Pro Evoltuion 6".

"Winning Eleven: Pro Evolution Soccer 2007" tem versões para PC, PlayStation 2 e Xbox 360.

Mortal kombat Armageddon

Postado por Info Games


A tradicional franquia de luta "Mortal Kombat" quer se despedir da atual geração de consoles deixando todo seu legado reunido em "Mortal Kombat: Armageddon", mais ou menos como foi feito em "Mortal Kombat Trilogy", que trouxe uma compilação dos três primeiros games da lendária série, ainda em 2D.

Como tal, "Armageddon" trará simplesmente todos os personagens que apareceram na franquia, que totaliza cerca de 60 lutadores. Então, espere encontrar Kano, Sektor, Smoke e todas as gerações de Sub-Zero.

O sistema de lutas será como em "Deadly Alliance" e "Deception", ou seja, cada um dos lutadores terá vários estilos de luta, com ou sem armas, que incluem modalidades baseadas em artes marciais reais, como o boxe tailandês, kung fu e tae kwon do. Mas agora, o defensor poderá usar novas técnicas para "aparar" os golpes do adversário, deixando o atacante aberto para receber contra-ataques. Além disso, os combates aéreos devem se intensificar. Haverá mais golpes voadores e arremessos em pleno alto.

Os fatalities, marca registrada da série, também sofreram modificações. Agora, é possível fazer diversos desses movimentos de finalização durante um tempo estabelecido. Pode-se ver um personagem arrancar o coração de seu oponente, depois seu cérebro, para finalmente dar um soco que separa sua cabeça de seu corpo. O que seria muito violento, há muito tempo deu lugar a animações que, de tão exageradas, ficaram cômicas.

O modo Konquest, que imita um jogo de ação com adventure, também foi modificado. Agora, como em "Shaolin Monks", os combates acontecem contra diversos oponentes, e não como nos duelos da modalidade principal. Naturalmente, haverá muitos itens para encontrar e com isso liberar diversos extras, como de praxe.

Além de trazer cerca de 60 personagens, "Armageddon" também prevê um modo de criação de personagens. Além de definir atributos físicos e o rosto do lutador, você poderá vesti-lo com diversos modelos de roupas. Mas o mais importante é que o jogador poderá combinar diversos tipos de golpes e artes marciais.

Os duelos poderão ser feitos contra o computador ou contra outro jogador. Assim como a edição anterior, haverá uma modalidade online para realizar confrontos com usuário do mundo inteiro. Desta vez, o modo prevê mais opções para partidas e um lobby mais completo.

Tony Hawks Project 8

Postado por Info Games


A próxima e tão esperada geração de videogames também será contemplada com a melhor série de Skate, que faz história no Playstation One e no Playstation 2. Com gráficos magníficos (é claro!), todos os mais famosos skatistas do mundo real e uma jogabilidade que promete levar o skatista virtual para dentro do game, Tony Hawks Project 8 cria expectativas gigantes para seu lançamento.

Realismo é a palavra chave na produção de Tony Hawks Project 8, primeiro game de Skater que será lançado para a plataforma Playstation 3. O objetivo das empresas envolvidas na produção do game, NeverSoft e Activision, é fazer com que o jogador se sinta um verdadeiro skatista e, dada a potência gigante do Playstation 3, isso não será difícil.

Com múltiplas opções de dificuldades, um novo modo de jogabilidade que fará o game mais real que nunca, mais possibilidade de combinação de manobras, opção de gravar em vídeo e tirar foto de suas exibições - podendo assisti-las frame por frame, e uma inovadora possibilidade de acumular pontos ao impressionar os pedestres das cidades, Tony Hawks Project 8 impressiona qualquer amante do videogame.

Até o site oficial do game é bem feito (tem até uma promoção para se ganhar um carro 0 Km). Infelizmente as informações disponibilizadas são um pouco filtradas e ainda é tudo muito segredo... mas a previsão é que o game será fantástico! Os videos que foram disponibilizados da pre produção do game são de tirar o fôlego - literalmente prendi a respiração.

Prepare-se para sentir o futuro em suas mão. O Playstation 3 está chegando, jajá em Novembro. E Tony Hawks Project 8 será uma obra de arte.

Plataforma: Playstation 3
Previsão de Lançamento: 2007.
Produtora / Distribuidora: NeverSoft / Activision
Gênero: Skate.

Call Of Duty 3

Postado por Info Games


Para aqueles não familiarizados com a história de Call of Duty, vamos relembrar algumas coisas. Dessa vez, você não se encontrará em um ataque nas praias da Normandia, pois o jogador acostumado a games de guerra já deve ter visto essa cena mais vezes que o imaginável! Então a Activision foi esperta e mudou isso.

Dessa vez, Call of Duty 3 leva os jogadores a seguir as tropas Polonesas, Canadenses, Americanas e Britânicas para a batalha de Chambois, um dos mais necessários, para ser mais franco, ataques da 2ª guerra. Como jogador, você estará comandando cada um dos exércitos, missão por missão, trocando para cada uma das forças de ataque desses grupos, dando cabo das forças de resistência alemãs conhecidas como “Força Panzer”, a força de elite alemã da época. Pela primeira vez, Call of Duty 3 coloca os jogadores em múltiplos pontos de vista de uma mesma batalha, sendo que cada grupo (e missão) estará trabalhando com um objetivo principal. Isso significa que você ira mover à frente americana, depois a Força Armada polonesa, a 4ª Divisão Armada canadense e os Granadeiros e os britânicos para fechar o portão. São campanhas múltiplas, cada uma acontecendo simultaneamente, mas com um objetivo em comum.

Mas, chega da parte “single player” do jogo. Agora o desafio mora no verdadeiro campo de batalha multiplayer! Esqueça tudo o que você conhecia sobre o jogo Call of Duty. Com um novo desenvolvedor na equipe de produção, Call of Duty 3 preparou um novo paradigma para os jogadores. Com capacidade para até 24 jogadores, este game tem uma sensação bem mais profunda quando on-line.

Em Call of Duty 3, você irá ver velhos e novos modos de jogatina multiplayer. Team Battle, Capture the Flag, Single Flag Capture the Flag, uma versão revisada de Headquarters e um modo completamente novo conhecido como WAR! Os primeiros modos são auto-explicativos, o Team Battle funciona como uma batalha Death Match, e os modos baseados em Capture de Flag são como qualquer outro do estilo.

Sabemos que Capture the Flag é a quintessência do modo multiplayer, que simplesmente tinha que retornar! Um game desses sem Capture the Flag, não seria um game de shooter! E em Call of Duty 3, não é diferente. Os jogadores são divididos em dois times e cada um deve retornar a bandeira inimiga para sua base. Alguns detalhes lembram Halo, como o fato que o jogador que leva a bandeira fica desarmado pelo campo de batalha, porém em qualquer ponto, ele pode derrubar a bandeira, armando-se com sua arma anterior. O jogo tem retorno de toque, então qualquer um que queria se sacrificar correndo como um louco em direção à bandeira de seu time, basta tocá-la para devolver à base. É interessante o fato onde o carregador da bandeira pode utilizá-la como uma arma, estocando a ponta da haste no oponente, um ataque bastante letal por sinal. E, claro, aquele que está levando a bandeira aparece imediatamente no radar e corre mais lentamente enquanto a leva. O carregador da bandeira também não pode dirigir veículos, mas pode ser levado como passageiro em um veículo aliado, desde que conte com a coordenação de seu time.

Já o novo modo, War, traz uma jogabilidade mais frenética ao mundo da Call of Duty. Em War (guerra), os jogadores irão se dividir, mais uma vez, em dois times, dessa vez trabalhando para defender um ponto aleatório no mapa. É meio que uma mistura de “King of the Hill” de Halo 2 com o game Battlefield. Os jogadores apareceram no seu canto designado no mapa e correrão para o canto inimigo. Quando lá chegarem, o ponto se tornará neutro até que a sua bandeira seja levantada e o local capturado. Uma vez que o ponto é capturado, esse time trabalhará na segurança desse local até que destruir seus oponentes. Uma vez que o combate é focado em um ponto principal no mapa, o tiroteio é bem empolgante, tendo diversas funções como veículos de combate, material médico e artilharia aérea.

Durante as partidas multiplayer, os jogadores poderão operar tanques, motocicletas e veículos técnicos (como jipes com metralhadoras), cada um podendo levar parte de suas tropas para a batalha. Os tanques oferecem duas posições, incluindo o piloto (que é quem comanda o canhão principal) assim como um atirador adicional. Os veículos técnicos levam o motorista, um passageiro e o atirador e as motocicletas o piloto e um passageiro adicional num carrinho lateral.

Quando num veículo, os jogadores podem trocar de posições com um simples apertar de botão, eliminando aquele impacto insuportável de pular dentro e fora do veículo para encontrar a posição que você realmente queria. Além disso, cada jogador tem um ícone de veículo adicionado ao seu HUD (mostrador), indicando quais posições do veículo estão ocupadas e quais estão livres para troca. Mandar pilotos e passageiros dos veículos para os ares aparenta estar mais fácil que os demais games do gênero. Quando matando o piloto do jipe, por exemplo, o mesmo continua seu trajeto sem direção, e os passageiros sacudindo para todos os lados devem enviar um à frente para assumir o controle do mesmo, antes que o veículo caia num vão ou precipício fora da pista. Entrar com veículos é uma tarefa para jogadores experientes, pois sempre haverá um atirador de elite com sua “sniper”, esperando para dar o bote no motorista e poupar tempo para eliminar os demais combatentes do veículo. Esse é um dos detalhes que mostra que o multiplayer de Call of Duty 3 é bem mais balanceado, tornando-o justo e realista.

Além dos veículos, o jogo oferece classes de personagem, que adicional profundidade, equilíbrio e ainda mais diversão. Não importando se das forças aliadas ou inimigas, os jogadores podem selecionar uma dentre várias classes, incluindo rifleman, light assault, heavy assault, support, anti-armor, scout e medic. Novamente lembrando Battlefield, cada classe tem habilidades especiais que podem ser utilizadas não importando o modo que está sendo jogado. O rifleman, por exemplo, tem um lança-granadas anexado à suas metralhadoras. Enquanto light e heavy assauters podem utilizar minas para serem colocadas como uma defesa ao redor dos pontos de conquista. E para utilizar a habilidade relevante da sua classe, basta pressionar R1 no joystick de seu Playstation 3. Além dessas já demonstradas, mais estão sendo prometidas para o lançamento.

Call of Duty 3 tem potencial para ser “O” jogo on-line do fim de ano. Games como GRAW e Battlefield estão fazendo o possível para manter seu posto, mas quando olhamos para o potencial de Call of Duty 3, fica difícil imaginar uma forma desse jogo não pegar todos os fãs de shooter. A Treyarch fez um excelente trabalho com esse game que aparenta estar bastante sólido. E a versão para Playstation 3 está prometendo ainda mais integração, com o uso do voice-chat para partidas on-line.

O game tem tudo para ser um incrível jogo de shooter off e on-line, e esperamos ansiosamente por seu lançamento.

Anunciantes

Arquivo do blog

Widget UsuárioCompulsivo

Top parceiros


Seja nosso parceiro

Adicione o nosso banner e envie
um e-mail para redecineplaneta@gmail.com

Seguidores